Materia

Enviado por Anónimo y clasificado en Otras materias

Escrito el en español con un tamaño de 6,12 KB

 

Limite funcional superior: freio labial, fundo de vestíbulo labial, fundo de vestíbulo bucal, espaço corono maxilar, termino posterior.
Limite funcional inferior: fundo do vestíbulo labial, fundo do vestíbulo bucal, freio lingual, flange sublingual, fossa distoalveolar, chanfradura do masseter.

Moldagem periférica: Através de movimentos musculares excessivos, delimita o limite da futura prótese total. Material: plastificadora de godiva, lamparina, moldeira individual, godivas em bastão de alta, média e baixa fusão. Movimentos: superior - bico, sorrir forçado, abrir a boca ao máximo, lateralidade da mandíbula; Inferior - língua na parte interna da bochecha, língua no lábio superior, língua para fora, bico, sorrir forçado, abrir a boca ao máximo.
Moldagem final: copia todos os detalhes dos tecidos a partir dos limites previamente determinados na moldagem anterior. Material: pasta zinquenólica/elastômeros. Movimentos: não deve ser feito nenhum movimento importante, apenas repuxar um pouco os lábios para acomodação do material de moldagem.

Moldagem anatômica: utiliza-se alginato (fácil manipulação, boa fidelidade de copia, produz menores deformações aos tecidos de revestimento do rebordo) e godiva ( fácil manipulação, boa fidelidade de copia, grande capacidade de afastar a musculatura inserida no rebordo).

Ajuste no plano de cera superior: suporte labial, altura incisal, plano anterior, plano posterior, linha média, linha do sorriso e dos caninos, corredor bucal.
Ajuste no plano de cera inferior: dimensão vertical de repouso, dimensão vertical de oclusão.
Limites da prateleira bucal: medial - crista do rebordo alveolar, lateral: linha obliqua externa, distal: trigono retromolar, anterior: freio bucal.
Dimensão vertical de oclusão = dimensão vertical de repouso - espaço funcional livre.

Síndrome da combinação (Kelly): você tem que ter uma paciente usuário de próteses totais com os sextetos anteriores inferiores presentes, e o seguimento posterior bilateral mal restaurado ou não restaurado. Esse paciente com esse quadro perde a eficiência mastigatória na região posterior concentrando a carga mastigatória anterior, levando uma reabsorção severa na região de pré-maxila e crescimento na região de tuberosidade.

Áreas de suporte da maxila: suporte primário - palato duro; suporte secundário - rebordo alveolar.
Áreas de suporte da mandíbula: suporte primário - prateleira bucal; suporte secundário - rebordo alveolar.
Limites da prateleira bucal: medial - crista do rebordo alveolar; lateral - linha obliqua externa; distal: trigono retromolar; anterior: freio bucal.


 



Moldagem funcional (moldagem de prótese total): Utilizando um modelo de gesso feito para modelagem anatômica, faz uso como moldeira individual. Colocar na lateral da placa de vidro cera sete, passar vaselina solida nas placas de vidro para não grudar a resina, fazer as zonas de alivio na parte superior na região anterior ate as rugas para superior e em determinados pontos na lateral da gengiva para inferior, passar vaselina ou isolante celac no modelo de gesso. Misturar a resina pó liquido no pote dapen de vidro com tampa na proporção correta indicada pelo fabricante, esperar até chegar na fase de trabalho (plástica) fazer uma bolinha para o modelo superior e uma forma de cobrinha para modelo inferior, pressionar a resina entre as duas placas e colocar no modelo, segurar com as duas mãos (contra o modelo) para não fazer deformações (não haver expansão), cortar os excessos, dar o acabamento com a broca maxcut, mandril e lixa dagua, fazer os stops posteriores e o cabo biangulado na região anterior com resina. É importante para fazer os limites funcionais de prótese de moldagem anatômica e feita primeiro, reproduzir os tecidos bucais é necessário utilizar a moldeira de alumínio (perfurada, pois tem mais retenção do alginato) na boca do paciente (com álcool 70). Fazer a individualização de fundo de vestíbulo com cera 7, misturar o alginato com água, 3 medidas de alginato para 2 ½ de água, espatulação rigorosa, colocar na moldura e levar até a boca do paciente, durante 1 minuto. Tirar após fazer a reação de presa e vasar com gesso pedra tipo IV, recortar o modelo. Com a placa individual, utilizar a pasta zinco eugenólica e levar até a boca do paciente para fazer a moldagem funcional e assim os limites funcionais da prótese.

Adesão: atração física de moléculas diferentes entre si.
Coesão: atração física de moléculas de uma mesma substância.
Tensão superficial interfacial: é uma resistência à separação causada por uma película de um liquido entre suas superfícies (prótese-mucosa).

Sialorréia: causas - irritação local, doença de parkison, gravidez, próteses novas. Excesso de produção/secreção de saliva.
Xerostomia: causas - idade, radiação, cálculos salivares, medicações. Falta de produção/secreção de saliva.

Godiva: maior capacidade de afastar a musculatura do rebordo alveolar, elastômero reversível e biossegurança é favorável.
Alginato: produz menos, sua capacidade de produzir as estruturas do rebordo alveolar nferior ao da godiva, menor avaliação das deformações, elastômero reversível, biossegurança favorável.

*O exame serve para identificar estruturas que não são visíveis, pois estão abaixo do rebordo alveolar. Estruturas estranhas, ex: resto radicular, podem causar infecção pela força mastigatória causada pela prótese.


 


 


 

Entradas relacionadas: